Área Restrita

Justiça decide que menores de 6 anos não podem frequentar ensino fundamental

24/02/2015
Notícias
Institucional

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, nesta segunda-feira (23), que escolas públicas e particulares não devem aceitar a matrícula de crianças menores de 6 anos (a completar até 31 de março do ano letivo) no ensino fundamental. Alunos com idade inferior devem ser matriculados na etapa de ensino anterior, que é a pré-escola. A regra já tinha sido regulamentada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), mas era questionada judicialmente em alguns estados por pais e redes de ensino que pediam a flexibilização da idade corte.

 

O CNE defende que crianças menores do que 6 anos, ainda que tenham capacidade intelectual, ainda não atingiram a maturidade necessária para esta etapa de ensino. A decisão da Primeira Turma do STJ reformou acórdão do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) que admitiu o acesso de alunos menores de 6 anos de idade no ensino fundamental em Pernambuco, mediante a comprovação de capacidade intelectual do aluno por meio de avaliação psicopedagógica.

 

Em sua primeira decisão, o TRF5 determinou a suspensão das resoluções e autorizou a matrícula de menores de 6 anos em todas as instituições de ensino fundamental do país. A União recorreu e o tribunal manteve a sentença, mas limitou sua eficácia ao estado de Pernambuco.

 

As duas partes recorreram ao STJ. A União sustentou, entre outros pontos, que a fixação da idade mínima para ingresso no ensino fundamental é atribuição do CNE e que as resoluções foram expedidas após a realização de estudos e audiências públicas. Já o Ministério Público defendeu que a sentença de liberação da matrícula para menores de 6 anos deveria valer em todo o Brasil, e não apenas em Pernambuco.

 

Em seu voto, o juiz Sérgio Kukina, relator dos recursos, apontou que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação é clara ao afirmar que o ingresso do aluno no ensino fundamental deve ocorrer a partir dos 6 anos. Também argumentou que o Judiciário não poderia acolher o medido do Ministério Público, caso contrário estaria invadindo competências do Executivo.  

 

Fonte: EBC - Empresa Brasil de Comunicação



Imagem: Creative Commons

 

 

Veja Também

24/04/2017
Graduação

Acadêmicos da Unijipa realizam "Fármacia na Praça"

No último domingo (23), alunos de Farmácia, supervisionados pela professora Me Caroline Klein e pelo professor Dr Ely Camargo, colocaram em prática a ação social “Farmácia na Praça”, na praça dos migrantes, em Ji-Paraná. O evento contou com atividades relacionadas a prática farmacêutica na área do atendimento com a população. Sendo assim, foram realizadas as atividades de aferição de pressão arterial, teste de glicemia capilar e entrega de panfletos educativos sobre os riscos da automedicação. O objetivo da ação foi instituir...

15/01/2015
Institucional

Programa federal “Minha Casa Minha Vida” abrirá inscrições em Ji-Paraná

Entre os dias 20 a 25 de janeiro, o Ginásio de Esportes Gerivaldão será o palco do sorteio de 600 casas populares para famílias de baixa renda, de acordo com o protocolo do programa “Minha Casa Minha Vida” do governo federal. De acordo com a SEMAS (Secretaria Municipal de Assistência Social), as novas moradias serão edificadas no Bairro Capelasso, segundo distrito da cidade de Ji-Paraná.

02/09/2015
Institucional

UNIJIPA inicia os trabalhos da pós-graduação “MBA em Administração e Finanças na Gestão Cooperativa”

No último fim de semana (28, 29 e 30 de 2015), deu-se início as atividades do curso de pós-graduação “MBA em Administração e Finanças na Gestão Cooperativa”, com o total de 35 acadêmicos que ocuparam o espaço da auditoria da Unimed Ji-Paraná. Na ocasião foi ministrada a disciplina “Governança Cooperativa”, pelo Prof.º José Carlos de Assunção, vindo de Brasília (DF).

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem