Área Restrita

Países precisam aumentar investimento em educação, diz Unesco

10/04/2015
Notícias
Institucional

O mundo precisa aumentar o investimento em educação, segundo o relatório final de monitoramento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) das metas estabelecidas em 2000 no Marco de Ação de Dakar, Educação para Todos: Cumprindo nossos Compromissos Coletivos. O documento foi assinado por 164 países de renda baixa e média baixa. De acordo com o relatório, eles precisarão gastar 5,4% do Produto Interno Bruto (PIB) para garantir um ensino de qualidade e as nações ricas precisarão aumentar os repasses aos países mais pobres em US$ 22 bilhões por ano.

 

O documento destaca que a educação não é a prioridade em muitos orçamentos e mudou pouco desde 1999. Em 2012, ela representou 13,7% dos gastos dos países, o que é menos do que o recomendado pela Unesco, de 15% a 20% do orçamento. Os países acabam priorizando a educação primária, que equivale, no Brasil, do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, e negligenciando a educação infantil e a alfabetização de adultos, diz o texto. O relatório conclui também que o financiamento do ensino é importante para que se cumpra uma das premissas da agenda, que é a educação gratuita.

 

O valor de US$ 22 bilhões corresponde ao déficit anual na educação básica, que vai do ensino infantil ao ensino médio e representa quatro vezes o que é repassado hoje em ajuda a países de renda baixa e média baixa.

 

Para a Unesco o investimento mínimo ideal em educação é entre 4% e 6% do PIB do país ou 20% do orçamento. O Brasil cumpre esse investimento, chegando, segundo os últimos dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Página Inicial (Inep) a um investimento de 6,6% do PIB.

 

Globalmente, em 2012, de 142 países com dados disponíveis, 39 gastaram 6% ou mais do PIB em educação. O número aumentou em relação a 1999, quando dos 116 países com dados disponíveis, 18 gastaram 6% ou mais do PIB. Na América Latina, em 12 dos 18 países com dados disponíveis, o progresso das despesas públicas com educação excedeu o crescimento econômico, apesar das diferenças proporcionais que vão desde menos de 7% do orçamento em Antígua e Barbados até mais de 20% em Belize e na Venezuela.

 

De acordo com a coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, Rebeca Otero, o Brasil tem dado destaque à educação, mas, apesar de cumprir o recomendado pela entidade, ainda deve aumentar o investimento. O ideal para o país, segundo ela, é que se cumpra os 10% do PIB, previstos no Plano Nacional de Educação (PNE), que deverá ser executado nos próximos dez anos. “O Brasil tem condições de avançar muito. Nós temos falado muito em educação, agora está na pauta, é o slogan do governo [Brasil, Pátria Educadora], podemos avançar em muitos pontos”, disse.

 

O Marco de Ação de Dakar, Educação para Todos: Cumprindo nossos Compromissos Coletivos foi firmado em 2000 por 164 países. A Unesco acompanha o progresso das metas que deveriam ser cumpridas até 2015. Os resultados estão no Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos 2015 Educação para Todos 2000-2015: Progressos e Desafios, a última edição do monitoramento, produzido por uma equipe independente da Unesco. Uma nova agenda deverá ser definida pelos Estados-Membros até setembro deste ano.    

                                        

Fonte: Agência Brasil

 

Imagens: Creative Commons

 

 

Downloads

Complementos_Geral
Baixar
IACS - Cartilha sobre o Plágio
Baixar

Veja Também

07/02/2018
Graduação

Mãe e filha ingressam juntas, no curso de Pedagogia da Unijipa

Nunca é tarde para realizar um sonho. Cida Góes nunca fez faculdade, mas sempre sonhou em ser pedagoga. Chegou a lecionar por quase um ano e meio, há quase 30 anos, durante o projeto Bianco de 1989. Após a chegada de sua primeira filha, Cida decidiu ser mãe em tempo integral. Com o passar dos anos e mais duas filhas, sempre as colocou em primeiro lugar. Principalmente quando o assunto era educação. O estudo das três meninas seria prioridade até que estivessem todas formadas.   Hoje duas de suas filhas já estão formadas. Incentivada pelo marido, aos 50 anos, Cida está finalmente realizando seu...

05/10/2012
Institucional

auditoria-em-servico-de-saude

Objetivos: Desenvolver competências e técnicas gerenciais contemporâneas que permitam identificar e apresentar soluções aos problemas administrativos na área da saúde para a tomada de decisão. Estimular a troca de experiência entre os participantes. Atender às necessidades de desenvolvimento gerencial de executivos que atuam em vários segmentos do setor Saúde, integrando atualizadas tecnologias e práticas de gestão fornecendo confiança para atuar em diversas funções gerenciais. Fornecer um enfoque de redução de custos com investimento na qualidade e responsabilidade humana. Público-Alvo: Profissionais em cargos de direção e gerência de hospitais públicos e privados, de...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem