Área Restrita

Escola está fora da rota de 172 mil jovens

14/04/2015
Notícias
Institucional

Com a morte do pai, Lorraine Stephanie, na época com 15 anos, precisou sair da escola para trabalhar e ajudar a mãe em casa. Luiz Eduardo Costa, 19, largou a sala de aula há dois anos para complementar a renda da família, que está reformando a casa. Com apenas 13 anos, Eduarda Stefany Gonçalves vê alguns jovens conquistando a independência financeira e planeja fazer o mesmo para juntar dinheiro para sua festa de 15 anos. Histórias diferentes mostram a mesma realidade: 27,5% dos mineiros de 15 a 17 anos não conseguem conciliar trabalho e estudo.

 

Ao todo, 172 mil adolescentes mineiros estão longe das salas de aula. Em todo o país, o número chega a 1,7 milhão. Eles são os “invisíveis” na demanda por uma vaga no ensino médio – e nesse universo a necessidade de trabalhar está entre as principais causas da evasão escolar. A redução das vagas no período noturno é mais uma das formas de exclusão.

 

“A relação com o trabalho diz respeito à sobrevivência e à possibilidade de menino viver sua juventude, porque ele quer comprar uma roupa, sair com a namorada. É a escola que tem que se adaptar à realidade dele, e não o contrário”, destaca o doutor em Educação Juarez Dayrell.

 

Segundo ele, em 2008, uma grande pesquisa sobre os motivos de evasão escolar constatou a falta de interesse como fator de desistência do aluno à época. “Quando falamos isso, parece que o problema é o aluno, mas quando a gente se aproxima do cotidiano escolar, nós vemos que há um conjunto de fatores que produzem essa falta de interesse: a aula chata, o professor, a dificuldade, o cansaço do aluno que trabalha”, diz Dayrell.

 

“Cheguei à 8ª série com 13 anos e tomei três bombas por causa das amizades na rua. Aí, desisti da escola. Eu não escutava ninguém. Quando olho para trás, penso quanto tempo perdi. Já podia ter formado há cinco anos”, desabafa Cláudio Vinicius Santos, 21, que hoje tenta concluir o ensino médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA).

 

Há que frisar que a responsabilidade pela evasão não é apenas da escola. Professores em instituições inseridas em comunidades carentes e violentas perdem muitos alunos para o crime – aí incluído o tráfico de drogas – e para a prostituição. “Ele quer ter renda, mas não consegue emprego. Daí ele procura o dinheiro fácil”, conta um docente.

 

Fonte: O Tempo

 

 

Downloads

sdasdasdas
Baixar

Veja Também

24/10/2013
Pós-Graduação

comissao-propria-de-avaliacao-20132-ciencias-contabeis

Ciências Contábeis 1º Período - Prof. Débora Cristine Pellenz - Prof. Francisco Flávio Diamante- Prof. Luiz Ribeiro Medeiros- Prof. Marlene Muniz Oliveira Pilenghy- Prof. Rosângela Aparecida Silva Falqueto   2º Período - Prof. Agnaldo dos Santos Alves- Prof. Fabiano Rufini de Andrade- Prof. José de Souza Vieira- Prof. José Rodolfo Milazzotto Olivas- Prof. Marlene Muniz Oliveira Pilenghy 3º Período - Prof. Agnaldo dos Santos ALves- Prof. Fabiano Rufini de Andrade- Prof. Francisco Flávio Diamante- Prof. Ivo Ferreira Machado- Prof. José Rodolfo Milazzotto Olivas 4º Período - Prof. Eliane Pedrosa da Costa Saturno - Prof. Francisco Flávio Diamante - Prof. Joy Dawey da...

28/04/2016
Graduação

Curso de Engenharia Ambiental realizou uma Visita Técnica à Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia

Acadêmicos do curso de Engenharia Ambiental realizaram no último dia 25 de abril, das 8h às 11h, uma visita técnica às dependências da Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (CAERD), na estação localizada no município de Ji-Paraná (RO). A atividade foi toda supervisionada pela Coordenador do curso, Prof.ª Inês Nalita D'avila de Lima, com o devido acompanhamento da Laboratorista Química, Química Irizádina Maria da Silva; o Diretor da CAERD Ji-Paraná, Euclides Maciel; Engenheiro Civil, Claudio Pilenghy da Silva, e por fim, o técnico Eletrotécnico, Osvaldo Vilela Machado.

05/08/2014
Graduação

Aluna de Enfermagem é a primeira estudante "Gavião" da UNIJIPA

Aos 22 anos, Anaíndia atualmente reside na zona urbanizada de Ji-Paraná com a mãe e a irmã para que possam tornar mais acessível a conclusão de seus estudos. Segundo a acadêmica, a escolha da graduação de Enfermagem da Unijipa foi graças à boa reputação da instituição."Estou fazendo enfermagem na Unijipa porque é uma ótima instituição e está em crescimento, além de disponibilizar o FIES, fazendo com que tenhamos mais facilidade em ingressar na instituição”.

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem