Área Restrita

Tempo livre para brincar também educa, dizem especialistas

21/07/2015
Notícias
Institucional

 

Brincar é coisa séria. Por meio da brincadeira - não apenas de jogos educativos ou de atividades orientadas por adultos - as crianças aprendem lições importantes, como se relacionar umas com as outras e obedecer a regras. Assim, é imprescindível que haja tempo para a diversão. Segundo especialistas, no entanto, pais ansiosos pelo sucesso dos filhos têm se esquecido ou valorizado pouco esses momentos.

 

Desde os anos 1940, pesquisas sobre o desenvolvimento humano já identificam o protagonismo das brincadeiras na formação das crianças, sob os aspectos cognitivos, emocionais, físicos, sociais e morais. Mais recentemente, a neurociência identificou evidências de como o cérebro recebe e processa informações e estímulos colhidos do ambiente pelos sentidos e a importância do brincar nas sinapses - ligação entre neurônios.

 

"Os neurocientistas mostraram que os afetos positivos na interação da criança com o adulto geram sentimentos de segurança e prazer, fatores imprescindíveis para a saúde mental", explica a educadora Adriana Friedmann, em um estudo encomendado pela Bauducco.

 

Pesquisadora do tema, Adriana afirma que a ansiedade excessiva dos adultos acaba deixando em segundo plano as necessidades dos pequenos. "A gente não tem realmente respeitado o ritmo das crianças. Tudo precisa ter equilíbrio."

 

Alguns pecadilhos são comuns no dia a dia. Por exemplo: quando o pai apressado ou o professor interrompe uma brincadeira abruptamente, desmontando um mundo, uma linguagem que estavam sendo construídos. Ou ainda o adulto que intervém sem necessidade enquanto a criança brinca sozinha, o que é natural entre os mais novos.

 

"Os pais podem ser bons observadores das ações e interações infantis, sabedores que, ao brincar, a criança está talhando sua visão de mundo", afirma a professora aposentada da Universidade de São Paulo (USP) Zilma Oliveira.

 

A educadora alerta que, muitas vezes, a escolas também falham. "Nas escolas, predomina a ideia do ensino centrado no professor e as brincadeiras livres costumam ser vistas como lazer, ignorando seu valor na promoção de importantes aprendizagens, ainda que fora do menu pedagógico."

 

Para os pais - Coordenadora pedagógica da Escola Stance Dual, de São Paulo, Liliane Gomes conta que é necessário investir no diálogo com os pais para que eles entendam a importância das atividades livres. Na unidade, os alunos costumam ter três momentos ao longo do dia em que ficam livres.

 

"Principalmente em relação às crianças de 5 anos, os pais ficam muito ansiosos de que eles estejam lendo e escrevendo. Precisamos de reuniões extras para que eles diminuam essa ansiedade", explica Liliane. "Quando elas brincam, aprendem a resolver os problemas. E essa é a meta da vida."

 

Até mesmo fora do ambiente escolar, a pressão por resultados do brincar é sentida. A pedagoga Paula Kesselman coordena o espaço Mamusca, na zona oeste da capital paulista, onde pais levam seus filhos para brincar. "Tivemos dificuldade no começo porque muitos pais nos perguntavam: 'Eles vão ficar soltos assim?"

 

O Mamusca mantém educadores observando ou sugerindo brincadeiras, histórias, além de oficinas - que não têm horário definido. O espaço abriu ainda a Escola de Pais, para aproximar os adultos do livre brincar.

 

Enquanto era amarrado em uma brincadeira pelo filho Giovanni e pela amiguinha Julie, ambos de 4 anos, o engenheiro João Arantes, de 50 anos, disse que sabia a importância do brincar. "Em casa, a gente faz laboratório de desenho e de massinha. A gente se diverte muito", afirmou o professor universitário. "Quero que ele tenha autonomia para decidir."

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

Veja Também

09/05/2017
Graduação

Alunos de Contabilidade são aprovados no Exame de Suficiência do CFC

Doze acadêmcios do 7º e 8º período de Ciências Contábeis foram aprovados no Exame de Suficiência do Conselho Federal de Contabilidade 2017-1, de acordo com o resultado foi divulgado na última segunda-feira (8), no Diário Oficial da União (DOU).   O Exame de Suficiência do Conselho Federal de Contabilidade, tem como objetivo comprovar o conhecimento médio, sendo este o mínimo necessário, para que os Técnicos e os Bachareis em Ciências Contábeis possam exercer as suas prerrogativas funcionais no mercado de trabalho. Ser aprovado neste exame é obrigatório...

05/09/2014
Graduação

Cursos da UNIJIPA são agraciados com Selo de Qualidade do Guia do Estudante

O Guia do Estudante, maior revista de avaliação de Instituições de Ensino Superior do Brasil produzida pela Editora Abril, concedeu ao curso de Pedagogia e Ciências Contábeis da Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA) três estrelas referentes às avaliações anuais feitas pela publicação. O sistema de controle de qualidade da publicação leva em contra critérios de educação, metodologia e nível de aprendizagem do curso.

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem