Área Restrita

País terá que investir até três vezes mais para ter ensino de qualidade

30/07/2015
Notícias
Institucional

 

O Brasil terá que aumentar em até três vezes o valor investido por aluno na rede pública para garantir educação com padrões mínimos de qualidade, de acordo com a Campanha Nacional pelo Direito à Educação, rede que reúne mais de 200 organizações. Esse cálculo significa R$ 37 bilhões a mais no sistema educacional público, que engloba 40,7 milhões de matrículas.

 

A etapa educacional que mais necessita de investimentos é a creche, que atende a crianças até 3 anos de idade. O valor ideal seria R$ 10 mil por aluno para o atendimento em tempo integral. Atualmente, segundo dados divulgados pela campanha, são gastos R$ 3,3 mil, com base nos valores do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb).

 

O investimento calculado pela campanha corresponde ao Custo Aluno-Qualidade inicial (CAQi), instrumento criado pela própria organização e incorporado ao Plano Nacional de Educação (PNE). O CAQi define quanto deve ser aplicado para cada aluno ter acesso a uma educação com um padrão mínimo de qualidade. Entram no cálculo recursos para infraestrutura, materiais e equipamentos, além do salário dos professores.

 

A implantação do Custo Aluno Qualidade (CAQ) faz parte das estratégias para alcançar o investimento de pelo menos 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação até 2024. Pela lei, o CAQi deve ser implementado em até dois anos de vigência da lei, no final de junho de 2016. Atualmente, o investimento é de 6,6% do PIB.

 

VALORES - A tabela divulgada pela campanha atualiza os valores para todas as etapas de ensino. Entre as matrículas em tempo integral, na pré-escola, o valor por aluno deveria ser R$ 5 mil, contra os atuais R$ 3,3 mil; no ensino fundamental e no médio, R$ 4,8 mil, contra R$ 3,3 mil atuais. A educação indígena e quilombola deveria subir dos atuais R$ 3,1 mil para R$ 6,1 mil por estudante.

 

“Os dados mostram que as matrículas que o Brasil menos investiu ao longo da história, como creche, educação quilombola e indígena, demandam mais recursos”, diz o coordenador geral da campanha, Daniel Cara. Ele acrescenta que, além das matrículas existentes, o Brasil tem de incluir 2,8 milhões de crianças e jovens na escola e isso custará mais de R$ 13 bilhões nos anos iniciais para garantir a infraestrutura e R$ 13 bilhões a mais por ano para manter esses alunos.

 

“Os dados trazem a clareza de que praticamente todas as matrículas do Brasil, salvo os estados mais ricos, precisam de complementação da União para atingir um padrão mínimo de qualidade. Essa é uma agenda que vai ter que ser discutida”, diz.

 

Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) de 2014, obtidos por requerimento de informação pelo senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), mostram que a União contribui com 18%, os estados, com 40%, e os municípios, com 42% do investimento direto aplicado em educação.

 

Para o cálculo do CAQi, a campanha usou os recursos previstos em parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) de 2010, que não foi homologado pelo Ministério da Educação (MEC). O documento final da Conferência Nacional de Educação (Conae), que reuniu especialistas, organizações e Poder Público, estabelece que o CAQi seja regulamentado nos moldes do parecer do CNE.



O MEC, no entanto, discute o CAQi e o CAQ em grupo formado por secretarias da pasta, pelo Inep e pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Em junho, à Agência Brasil, o secretário de Articulação com os Sistemas de Ensino do MEC, Binho Marques, disse que o grupo levanta dados sobre insumos e custos da educação básica e que o CAQ poderá não seguir exatamente o que está no parecer do CNE. Até setembro, o trabalho do grupo deverá ser colocado em discussão.

 

Fonte: Agência Brasil

 

 

Veja Também

24/05/2016
Graduação

UNIJIPA promoveu comemoração pelo Dia do Pedagogo

Comemorado anualmente no dia 20 de maio, O Dia Nacional do Pedagogo foi comemorado na Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA), em uma celebração especial realizada no último dia 23 de maio, nas dependências do Campus I da instituição. Estiveram presentes os alunos do curso de Pedagogia; os docentes Rosângela Aparecida da Silva Falqueto, Luciano Osmar Menezes, Vilson Klein, Andreia Pereira, Nilra de Souza Pinheiro Lôbo; a Coordenadora do curso, Célia Maria Peres Galvão; o Diretor Pedagógico Edimar Roberto de Lima Sartoro, e por fim, a Diretora da UNIJIPA, Rosângela Aparecida da Silva.

18/05/2015
Graduação

UNIJIPA divulga as atividades realizadas pelo curso de Enfermagem durante a Semana Empreendedora.

O curso de Enfermagem da Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA) realizou durante a Semana Empreendedora, do dia 4 a 8 de maio, uma série de palestras, mesas redondas, jogos coorporativos e atividades lúdicas com os acadêmicos, abordando as competências e habilidades relacionadas com o empreendedorismo tais como a comunicação, liderança, agilidade, foco no resultado, foco no cliente, trabalho em equipe, cooperativismo, atenção, concentração, organização, estratégias, eficiência e eficácia.

05/05/2011
Institucional

deputados-comecam-a-analisar-as-diretrizes-para-2011-2020

O exame das diretrizes, metas e estratégias do Plano Nacional de Educação (PNE) para o período 2011-2020 começa este mês na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Durante cinco sessões ordinárias, os parlamentares. O exame das diretrizes, metas e estratégias do Plano Nacional de Educação (PNE) para o período 2011-2020 começa este mês na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Durante cinco sessões ordinárias, os parlamentares podem apresentar emendas ao Projeto de Lei nº 8.035/2010, enviado ao Congresso Nacional em 15 de dezembro do ano passado pelo então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.Pelas...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem