Área Restrita

Coordenadores de pós-graduação reúnem-se em Ji-Paraná

23/04/2012
Notícias
Institucional

 

Coordenação e assessores de pós-graduação do Athenas Grupo Educacional reuniram-se durante a última quinta-feira (20) na Faculdade Panamericana de Ji-Paraná  (UNIJIPA) para definirem o planejamento do setor para os próximos meses e discutir o atual funcionamento da pós-graduação do Grupo.

 

altCoordenação e assessores de pós-graduação do Athenas Grupo Educacional reuniram-se durante a última quinta-feira (20) na Faculdade Panamericana de Ji-Paraná  (UNIJIPA) para definirem o planejamento do setor para os próximos meses e discutir o atual funcionamento da pós-graduação do Grupo.

 

Dentre os temas abordados no encontro estavam ajustes administrativos e algumas novas resoluções, como é o caso da adoção de um manual de elaboração de artigos, material elaborado com o objetivo de padronizar a produção científica dos acadêmicos do Athenas Grupo Educacional.

 

 

A coordenadora geral de pós-graduações do Athenas, Diana Ceriolli, explica que o encontro é a maneira ideal de projetar novas metas e redefinir determinadas questões que porventura necessitem de rediscussão. “Nossa pós-graduação atende em sete cidades, oferecemos quase 50 opções de pós-graduações lato sensu e 32 turmas matriculadas. São números muito expressivos e reunir-se é fundamental”,  afirma Ceriolli.

 

Aécio Alves Pereira, Diretor-geral do Athenas Grupo Educacional conta que a procura por pós-graduações cresce sensivelmente na região de atuação do Grupo. “Hoje nossa realidade local [Acre, Rondônia e Mato Grosso] é de um público graduado expressivo. Naturalmente muito desses profissionais procuram uma especialização, e graças à essa perspectiva de crescimento, que necessitamos de reuniões como essa para aparar arestas”, finalizou Aécio.

 

 

alt

Veja Também

17/04/2015
Institucional

Saiba como funciona a escola pública sem provas, turmas e disciplinas

Para conhecer a Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Amorim Lima, na zona oeste de São Paulo, é preciso deixar de lado a visão tradicional de escola. Aqui não há provas, os alunos aprendem matemática debaixo de uma árvore e as salas não têm carteiras organizadas em fileiras. Nessa escola, cada um aprende no seu ritmo, compartilha as experiências com o grupo e pede ajuda para o professor-tutor.

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem