Área Restrita

Novas regras do FIES geram reações do mercado de ensino superior

19/01/2015
Notícias
Institucional

O ajuste fiscal do segundo governo Dilma Rousseff provocou um curto-circuito no mercado de ensino superior privado, cuja expansão foi uma das marcas do primeiro mandato da presidente. Com ações desabando na Bolsa, empresas do setor pressionam o Ministério da Educação a rever portaria editada no apagar das luzes de 2014 para endurecer as regras do financiamento estudantil.

 

Sem anúncio prévio ou justificativa oficial, a medida impôs uma pontuação mínima no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) aos interessados em tomar recursos públicos para bancar as mensalidades da rede privada.Além disso, reduziu o fluxo de pagamentos do governo às empresas mantenedoras.

 

Procurado pela Folha, o Ministério da Educação afirmou que o objetivo foi aprimorar a qualidade do ensino superior, o que não explica a restrição aos pagamentos.De uma hora para outra, as perspectivas para os negócios do setor –até então um dos mais prósperos na Bolsa– se tornaram menos luminosas.

 

O valor de mercado da gigante Kroton, que atende a mais de 1 milhão de alunos, caiu 18,3%, de R$ 25,2 bilhões para R$ 20,6 bilhões, em apenas 15 dias de janeiro.No caso da Ser Educacional, a queda no período chegou a 40,5%, para R$ 2,2 bilhões.Não é difícil entender: nos últimos anos, alunos e receitas foram multiplicados com a ajuda da expansão dos gastos do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).Os desembolsos somaram R$ 13,7 bilhões no ano passado, ante R$ 1,1 bilhão em 2010.

 

No primeiro mandato de Dilma, o número de contratos de financiamento saltou de 76 mil, no último ano de Lula, para 732 mil em 2014.Agora, em tempos de reequilíbrio do Orçamento e contenção da dívida pública, essa fonte não deverá mais ser tão generosa, ainda que Dilma tenha anunciado, como lema de seu novo governo, “Brasil, pátria educadora”.



Fonte: Folha  / http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/01/1576934-setor-de-educacao-superior-privado-reage-a-ajuste-fiscal-do-governo-dilma.shtml

Imagem: Folha

 

 

 

Downloads

Resolução - Publicação do Jornal
Baixar
Edital fameta janeiro 2
Baixar

Veja Também

11/03/2013
Institucional

ministro-quer-aumentar-formacao-de-pesquisadores-do-programa-ciencia-sem-fronteiras

Quase 10 mil candidatos estão aptos para as bolsas O ministro da Educação Aloízio Mercadante disse hoje (7) em Lisboa que o governo quer estimular a formação de pesquisadores inscritos no Programa Ciência sem Fronteiras para que tenham proficiência em idiomas estrangeiros, como inglês, alemão, mandarim e francês. “Precisamos estimular os jovens a falar mais uma língua, a conhecer e ter competência específica em outras culturas”, disse Mercadante ao sair de reunião com o ministro da Educação e da Ciência de Portugal, Nuno Crato. “Se a gente deixar, vem muita gente para Portugal. Tem que continuar vindo, mas temos que estimular que tenham proficiência em outras línguas”,...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem