Área Restrita

Escola também deve levar o sono em consideração

06/05/2015
Notícias
Institucional

Quando se pensa no modelo de uma escola ideal, imediatamente fazemos associações com o projeto pedagógico, a organização do currículo, a formação dos professores, o espaço físico e até mesmo a alimentação. Tudo isso deve ser considerado. No entanto, para o doutor em neurociência Fernando Louzada, professor da Universidade Federal do Paraná, essa lista também deve levar em conta o tempo biológico de cada aluno e o sono. Sim, o descanso também é importante para aprender.

 

Louzada estuda a relação entre o sono e a aprendizagem há mais de 20 anos. Atualmente, ele também participa da Rede Nacional de Ciência para Educação, que conta com o apoio da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico) e o Instituto Ayrton Senna para integrar pesquisas científicas ao processo educacional.

 

De acordo com o doutor em neurociência, muitos não dão importância para o sono, mas há quase um consenso entre os pesquisadores de que a atividade cerebral que acontece durante esse período tem ligação com a consolidação do aprendizado. As possiblidades de simulações que acontecem durante o sono também abrem espaço para a criatividade e o despertar de insights. “Assim como a escola se preocupa com a alimentação dos alunos, ela deve pensar da mesma forma com o sono”, defende em entrevista ao Porvir, quando ressalta a necessidade de reorganizar horários escolares de forma a considerar essas necessidades.

 

“Os alunos aprendem de maneiras diferentes e com ritmos diferentes. Mas quando se pensa nas diferenças temporais, as pessoas não conseguem enxergar da mesma maneira”, explica Louzada. Segundo ele, os educadores precisam saber que os alunos possuem ritmos biológicos diferentes. “Isso também deveria ser pensado no âmbito da personalização do ensino”, afirma. Ao contrário do que muitos acreditam, nem sempre horário tardio para dormir e despertar de uma criança ou adolescente está associado à falta de limites.

 

Existe uma área da biologia que é responsável por estudar e mostrar essas diferenças temporais a partir de uma influência genética. Conforme aponta a cronobiologia, cada pessoa tem um tempo diferente. Um aluno considerado matutino, por exemplo, apresenta preferência por acordar cedo e sente mais disposição nesse período. Já para um vespertino, é difícil levantar nas primeiras horas do dia. “Isso faz parte da organização dos relógios biológicos desses alunos”, afirma o pesquisador.

 

Muitas escolas acreditam que as crianças e adolescentes conseguem se acostumar a dormir e acordar cedo. Porém, o doutor em neurociências afirma que um aluno vespertino nunca vai mudar o seu comportamento natural. “Ele vai conseguir se ajustar porque o nosso sistema nervoso é plástico. Ele vai até dormir mais cedo, só que toda vez que tiver a oportunidade, vai expressar a sua preferência em deitar e acordar mais tarde”, explica.

 

A escola deveria apresentar opções de horários para atender tanto aos alunos matutinos quanto aos vespertinos, conforme aponta Louzada. Durante a segunda reunião da Rede CpE, que aconteceu na última segunda-feira (27), na sede do Instituto Ayrton Senna, em São Paulo, o doutor em neurociências apresentou uma ideia do que seria um modelo de escola ideal. Essa proposta sugere um horário de atividades comum entre os alunos, das 9 às 12h, e a opção de escolher entre as outras aulas no período das 7 às 9h ou das 13 às 15h.

 

“Dormir e reorganizar os horários escolares para respeitar essas preferências não gera custos. Existe um preconceito por trás disso e uma ideia de que todo mundo consegue se adaptar.” No entanto, antes de fazer qualquer alteração nos horários, o pesquisador diz que é necessário consultar professores, alunos, pais e a comunidade em geral. “Dentro da realidade e a proposta pedagógica da escola, você começa a discutir como seria

 

Fonte: PORVIR

 

 

Downloads

comp_fapan06
Baixar

Veja Também

17/06/2013
Institucional

unijipa-comemora-sucesso-de-publico-em-seu-vi-arraia

Show ao vivo, danças e comidas típicas foram algumas das atrações. No último sábado (15), aconteceu no estacionamento da Faculdade Panamericana de Ji-Paraná (UNIJIPA), o VI Arraiá da Unijipa, onde a estimativa de presentes foi quase 3.000 pessoas.Rosângela Aparecida, Diretora da Unijipa, conta que a festa tem uma tradição muito grande na cidade e que a estrutura precisou ser muito bem preparada. “Investimos bastante na infraestrutura justamente porque a festa já caiu no gosto do público, tanto pela qualidade das atrações quanto pelo fato das barracas angariarem fundos para as formaturas de nossos acadêmicos. É uma relação onde todos saem ganhando, e comemoramos tudo...

31/10/2011
Institucional

arom-e-athenas-educacional-oferecem-curso-para-gestores-de-saude-

A Associação Rondoniense de Municípios (AROM), e o Athenas Grupo Educacional firmaram Termo de Cooperação Técnica para oferecer atualizações sobre o Sistema Único de Saúde (SUS). É o Curso de Gestão e Legislação/ SUS, elaborado especificamente para as equipes gestoras dos municípios e outros funcionários da saúde. A capacitação será oferecida na UNIJIPA em Ji-Paraná-RO, pela biomédica com especializações na área, Dª. Mirlene Moraes de Souza. A formação terá carga horária de 16h e acontecerá nos dias 21 a 22 e 23 a 24 de novembro de 2011.   A Associação Rondoniense de Municípios (AROM), e o Athenas Grupo Educacional firmaram Termo de Cooperação Técnica...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem